O Ateliê Azu é um empreendimento social dedicado à azulejaria e à cerâmica artesanal.


Nosso foco é  preservar a produção artesanal e usá-la como ferramenta para transformar espaços e vidas.


Trabalhamos em três frentes:


1) TRANSFORMAÇÃO DE TERRITÓRIOS

- Reforma de espaços públicos e fachadas.

- Criação de placas e sinalizações.

- Passeios culturais.


2) PRODUÇÃO ARTESANAL DE AZULEJOS E CERÂMICA 

- Azulejos para revestimento.

- Peças utilitárias e decorativas.


3) OFICINAS E PALESTRAS

- Oficinas e palestras de azulejaria e cerâmica artesanal para profissionais de arquitetura e construção, arte-educação e público em geral.


Por que azulejaria e cerâmica artesanal?

=> Hoje em dia há pouca mão de obra e produção artesanal e elas precisam ser incentivadas! A cerâmica artesanal utiliza técnicas milenares. <3

=> A cerâmica artesanal tem menos impacto no meio ambiente: ela não gera resíduos, nem emite gases de efeito estufa.

=> O azulejo tem grande durabilidade. Ao redor do mundo existem paineis de azulejos seculares!


QUEM FAZ


Élcio Gonçalves

Nunca foi ceramista, é artista plástico e ilustrador, e gosta de gravura. Começou a fazer cerâmica por causa de um banheiro quebrado, que o levou rever suas aulas de cerâmica do Liceu de Artes e Ofícios. A partir daí, começou a estudar a linguagem do azulejo, o barro, o esmalte e a pintura, e passou a dominar a técnica de produção de azulejo articulado, os famosos “geométricos de padrão”. Se especializou em História da Arte com o crítico de arte Rodrigo Naves e não parou mais. Mudou-se para Ermelino Matarazzo e fundou o Projeto Azu na favela da Vila Santa Inês, que mais tarde virou o que é hoje o Ateliê Azu.


Leandro Araújo (Lele)

Lele é artesão e morador da Vila Santa Inês, onde conheceu Élcio, quando frequentou as primeiras oficinas do Projeto Azu. Como desde a infância tinha afinidade com o desenho, resolveu se juntar ao Élcio em sua empreitada de transformar territórios por meio da cerâmica e da arte. Nesse caminho, aprendeu não apenas técnicas de desenho, cerâmica e azulejaria, mas também se engajou em vários processos de participação social e passou a facilitar oficinas que vinculam a aprendizagem, o fazer artístico e o artesanato, com a ocupação estética e participativa do espaço público. Entre suas principais atividades, está o fomento da criação de espaços de convivência e empreendedorismo nas periferias de São Paulo.


*** CURIOSIDADES SOBRE A CERÂMICA ***


Tem vários nomes que ouvimos falar, e muitas vezes nem nos damos conta de que é tudo cerâmica. Caso você ainda não saiba, tudo o que vamos listar abaixo é puro barro, ou seja, pura cerâmica!

Barbutina: É o barro líquido. É uma técnica que tem como característica produzir peças ocas.

Fiança: É um tipo de cerâmica branca pintada com esmalte colorido, e de baixa queima. O nome vem da cidade de Firenze, na Itália.

“Mallólica”: É feita como a fiança, mas as que levam esse nome são produzidas na Ilha de Mallorca, na Espanha.

Azulejos portugueses: Os azulejos portugueses também são feitos da mesma maneira que a faiança, apesar de não serem chamados de fiança e terem ganhando sua fama por serem azulejos. ;)

Azulejo: Ainda tem muita gente que não sabe que o azulejo é sempre feito de cerâmica. E mais, ele é o primeiro tipo de revestimento que foi aplicado em grande escala no mundo, começando como elemento decorativo até virar um elemento básico da construção civil.